Avanços tecnológicos para prevenir o câncer de pele

O câncer de pele é mais comum do que podemos pensar: em todo o mundo, é responsável por um em cada três cânceres diagnosticados. Felizmente, os avanços tecnológicos estão ajudando a combater a doença: usar o poder da inteligência artificial (IA) em combinação com um smartphone comum pode tornar o diagnóstico muito mais rápido e fácil; e há outras tecnologias que moldam um futuro mais brilhante para a prevenção e o tratamento do câncer de pele.

O câncer de pele é perigoso e os riscos estão aumentando: metástase rapidamente para órgãos distantes e os casos aumentam à medida que as populações envelhecem. A boa notícia é que o câncer de pele é tratável quando detectado precocemente, e é por isso que um diagnóstico rápido e preciso é tão importante.

O procedimento padrão para o diagnóstico de câncer de pele é a biópsia; no entanto, as biópsias não são apenas caras, mas também trazem riscos à saúde associados. Exigindo profissionais altamente qualificados, esses procedimentos podem ser invasivos, podem envolver sedação ou anestesia geral e levar tempo para cicatrizar – especialmente se houver complicações ao redor do local da biópsia.

Uma alternativa às biópsias

Uma forma de diminuir a necessidade de biópsias, já comum na dermatologia, é o uso do dermatoscópio para ampliar a visão de uma lesão cutânea para exame e diagnóstico por classificação da lesão. Avanços recentes na tecnologia de câmeras do smartphone significam que as dermatoscópicas podem ser feitas usando um smartphone por meio de um acessório especial. Como resultado, os pacientes podem registrar imagens de suas próprias lesões cutâneas.

Além disso, ao treinar um sistema de IA para classificar com precisão as lesões de pele, o câncer de pele e outras condições podem ser diagnosticados sem a necessidade inicial de envolver um especialista. Então, imagine que se um paciente identifica um problema de pele suspeito, ele poderia entrar em contato com seu clínico geral ou dermatologista para uma sessão de teleconsulta à distância.

 Durante isso, ou mesmo antes, o paciente poderia realizar sua própria dermatoscopia no smartphone e enviar a imagem para o sistema de IA para classificação; a partir daí, o médico dermatologista especialista em câncer de pele pode tomar uma decisão sobre o diagnóstico e o tratamento, e o paciente pode continuar a monitorar sua condição com mais consultas de telemonitoramento.

Explorando a dermatoscopia controlada por IA

Então, quão realista é tudo isso? Bem, a tecnologia está disponível e algumas câmeras de smartphones mais recentes nem requerem o acessório extra de dermatoscopia. No que diz respeito à IA, com o envolvimento de IA, ciência de dados, médicos e especialistas em imagens médicas, é possível configurar um sistema para coletar, limpar e preparar os dados, treinar o modelo de IA e, em seguida, testar sua eficácia para melhorias futuras em velocidade e precisão.

A Atos já conceituou como a IA pode ser ‘treinada’ usando um banco de imagens para permitir uma classificação mais rápida e remota que pode liberar um valioso tempo clínico para diagnóstico e tratamento.

Prevenção e tratamento do câncer de pele

Olhando de forma mais ampla, novas tecnologias e dados podem fazer contribuições importantes, não apenas em torno do diagnóstico de câncer de pele e outras doenças, mas também em sua prevenção e tratamento. 

A Internet das Coisas (IoT), por exemplo, e a explosão no uso de vestíveis e sensores de saúde significam que esses dispositivos podem ser comumente usados ​​para medir a exposição ao sol e alertar os usuários se eles estiverem sob risco de danos iminentes do sol. 

O big data também tem um papel importante a desempenhar; combinar e analisar dados populacionais e genéticos com fatores ambientais, como se as pessoas vivem em lugares mais ensolarados ou trabalham muito ao ar livre, pode ajudar na detecção precoce de pessoas em maior risco.

No que diz respeito ao tratamento, a manufatura aditiva – neste caso, a impressão 3D da pele – pode ser usada quando a pele precisa ser substituída após a cirurgia. Da mesma forma futurista é o uso de nanopartículas que poderiam ser incorporadas aos protetores solares para torná-los mais eficazes e no tratamento, por exemplo, ao implantar nanopartículas que viajam pelo corpo do paciente para onde são necessárias.

Transformando potencial em realidade

Dispositivos IoT conectados e diagnósticos de IA treinados já estão maduros e é apenas uma questão de tempo antes que a tecnologia de impressão 3D seja aplicada dessa forma. E nanopartículas? Os avanços nesta vasta e fascinante área da pesquisa clínica e da saúde indicam que essas descobertas estão em nosso futuro próximo.

Assim, enquanto os riscos de câncer de pele estão aumentando, as soluções de ciência e tecnologia médicas estão surgindo não apenas para ajudar os especialistas clínicos a melhorar o tratamento, mas também para capacitar os médicos de clínica geral e os próprios cidadãos a agir rapidamente e prevenir a ocorrência de problemas.