Como a nanotecnologia e as transmissões wireless revolucionaram o mercado de fones de ouvido

Não é de hoje que um novo termo vem fazendo parte do vocabulário dos entendidos ou apaixonados por tecnologia, a Nanotecnologia.

Para quem ainda não sabe, a Nanotecnologia é desenvolvimento de materiais e componentes em nanoescala, ou seja, em escala atômica e molecular. 

A Nanotecnologia vem atuando fortemente nas mais diferentes áreas, desde eletrônica, ciência, medicina, ciência da computação e engenharia dos materiais.

O enorme sucesso dessa tecnologia, se deve ao fato de trabalhar com  objetos entre 1 e 100 nanômetros, ou seja, em 1 metro há 1 bilhão de nanômetros. 

Para um melhor entendimento, basta imaginar que em uma espessura de uma folha de jornal, por exemplo, tem cerca de 100.000 nanômetros de espessura, enquanto em um DNA humano tem apenas 2,5 nanômetros de diâmetro.

A evolução da tecnologia até chegar na Nanotecnologia

A Nanotecnologia tem como um de seus princípios básicos, a construção de estruturas e novos materiais a partir dos átomos, com o objetivo de desenvolver estruturas estáveis e melhores do que se estivessem em sua forma “original”. Até porque, é preciso saber que os elementos se comportam de forma diferente em nanoescala.

Para entender um pouco como chegamos a nanotecnologia, vale considerar a evolução da tecnologia. Por exemplo, ainda nos anos 50 estávamos saindo da   “Era da Válvula”  para a “Era do Transistor”, que já foi um bom passo para conseguir diminuir de forma considerável o tamanho dos equipamentos. 

Vale considerar que uma válvula tinha o tamanho de uma lata de óleo, enquanto um transistor era menor que um grão de feijão. Ou seja, foi uma revolução tecnológica, fazendo com que a Eletrônica se firmasse como a grande tecnologia do século XX.

Já, na década de 70 foi a vez da informática ganhar os holofotes, e isso porque físicos e engenheiros criaram tecnologias de integração de componentes em chips eletrônicos, possibilitando o surgimento da Microeletrônica. 

Mas, foi mesmo na segunda metade da década de 1990 que a informática começou a sair do mundo da ciência e grandes empresas, para chegar às casas.

A Nanotecnologia

De toda a evolução tecnológica até chegar na nanotecnologia foi só uma questão de tempo.

Para se ter uma ideia, só em 1981 o homem conseguiu ver átomos individualmente pela primeira vez, quando criaram o Microscópio de Varredura por Tunelamento (STM), uma das mais importantes ferramentas de nanotecnologia dando, assim, início à nanotecnologia. 

Para que serve a nanotecnologia

Em alta nos dias atuais, a nanotecnologia está sendo muito usada para modernizar os setores da indústria e tecnologia, como a tecnologia da informação, meio ambiente, energia, segurança, tecnologia de alimentos e transporte e também em soluções para diminuir o impacto no meio ambiente e no campo da saúde.

A Nanotecnologia atua na criação de novos materiais e dispositivos, manipulando a estrutura desses materiais, trazendo possibilidades fantásticas para os mais variados setores.

Dentre outras coisas, todo esse avanço da nanotecnologia possibilita que cientistas desenvolvam ferramentas com a espessura cada vez mais próxima a de um átomo, possibilitando construir dispositivos eletrônicos cada vez menores, geralmente, recriações de outros dispositivos já existentes. 

Ou seja, a nanotecnologia permite que cientistas possam desenvolver materiais e componentes melhores, em um tamanho muito menor, não alterando a qualidade, muito pelo contrário, garantindo a melhora da mesma.

Em função disso, estão desenvolvendo eletrônicos muito mais potentes e menores, como fones de ouvido, por exemplo.

Atualmente, os fones de ouvidos mais modernos, de última geração, estão praticamente imperceptíveis visualmente, não impedindo, no entanto, sua performance, ou que ofereçam um som muito superior aos fones de ouvido tradicionais, sem falar que são também mais resistentes ao suor graças ao seu revestimento de nanotecnologia avançada.