Febre nos Estados Unidos, principalmente, depois de aparecer em clipes e vídeos, já era mais do que esperado, portanto, que acabasse chegando por aqui. 

    Já é possível ver esse novo objeto de desejo da garotada em parques e centros de lazer de São Paulo e Rio de Janeiro, principalmente, depois de ser usado por alguns famosos, como o atleta Usain Bolt, o cantor Justin Bieber e o ator Jamie Foxx.

    Com um design meio futurista, é possível controlar tudo com o movimento do próprio corpo. Quer saber como funciona? Continue lendo!

    Como funciona o skate elétrico

    O hoverboard, como também é chamado, funciona com um conjunto de motores elétricos e com um par de rodas, que fica em contato com o chão o tempo todo.

    O seu funcionamento, na verdade, pode ser comparado ao um segway (diciclo muito utilizado por seguranças em shoppings centers), só que, no caso do skate elétrico, por exemplo, não há uma barra central, usada para dar mais estabilidade e facilitar a condução do equipamento.

    Na verdade, o equilíbrio do skate elétrico é mantido por um conjunto de sensores, que lê e interpreta a inclinação do corpo da pessoa, por exemplo, se você se inclinar para a frente, a placa eletrônica vai interpretar que deseja que a prancha incline para a frente, a mesma coisa no caso do corpo ir para trás, o movimento, então, será de ré.

    Já, para evitar quedas, um giroscópio ajuda a calibrar a velocidade das rodas, registrando a inclinação da pessoa e a placa que controla o dispositivo usa esse valor para saber a velocidade ideal que os motores precisam para empurrar as rodas e, assim, evitar possíveis quedas.

    Na hora de virar, é muito simples, para ir para a direita, o usuário deve jogar o corpo para a esquerda, fazendo com que a roda esquerda acelere e a direita diminua de velocidade, fazendo a curva para a direita.

    O skate elétrico funciona à bateria e, na maioria das vezes, promete uma autonomia de até duas horas de uso.

    Skate elétrico é perigoso?

    Certamente, tal como andar de bicicleta, patinete ou patins, para andar de skate elétrico, será preciso se adaptar e treinar até conseguir dominá-lo e, assim, evitar acidentes.

    Mas, de uma forma generalizada, o maior risco desse tipo de produto são os incêndios, já que ele funciona com baterias que, segundo especialistas, são de baixa qualidade. 

    Ou seja, tal como acontece com celular, se os componentes internos do skate esquentam, podem causar prejuízos ou até mesmo machucar o usuário.

    O fato é que o skate eletrico é algo ainda muito recente, a tendência é que, daqui há pouco tempo, consigam melhorar a qualidade e segurança do produto. 

    Preço do skate elétrico

    É possível encontrar marcas de nome como a Segway, por exemplo, vendendo o mini skate elétrico por R$ 3.000, ou da marca Smart Balance com valores a partir de R$ 2.000, e também skate do Blue Air Board, por R$ 2.400.

    Por ainda não ter muitas opções, a melhor forma de comprar um skate elétrico, de boa qualidade, é importando, existindo duas opções, desde trazer um pessoalmente ou encontrar um vendedor estrangeiro que realize envio para o Brasil.

    De qualquer forma, no mercado norte-americano, os valores oscilam entre US$ 399 e US$ 499 entre modelos com melhor avaliação em lojas virtuais.

    Lembrando que, seja pelo método de importação que escolher, não tem jeito, terá que arcar com custos adicionais. Ou seja, além de possivelmente haver taxação alfandegária, por não ser um produto tão pequeno assim, no caso de viajar de avião, provavelmente, será preciso pagar uma taxa pela bagagem extra.

    E se preferir, ainda, a importação via lojas, o tamanho e o peso do pacote podem acabar fazendo com que o valor do frete seja alto.

    Compartilhe.
    Avatar de Fátima Watanabe

    Formada em biblioteconomia pela UFMG, Fátima Watanabe começou na sua área escrevendo artigos sobre as obras de Dante Alighieri e sua importância dentro da literatura. Hoje, Fátima passa seus dias como pesquisadora de sua área, integrando o uso de palavras-chave na pesquisa didática e ainda escreve editoriais e artigos no WTW19.