Tecnologia

Como a programação de aplicativos pode ajudar os pacientes a evitar recaídas do vício

single-image

Embora não haja substituto para o aconselhamento de reabilitação, a tecnologia – especialmente aplicativos discretos em dispositivos pessoais – pode ajudar as pessoas que lutam contra o vício a trabalhar em momentos vulneráveis ​​e potencialmente reduzir as chances de recaída.  

Evitar a recaída do vício não é fácil.

A recaída é comum durante a recuperação, especialmente quando o paciente não está recebendo tratamento.

Um estudo mostrou que cerca de um terço dos pacientes recaíram dentro de três meses após a conclusão do tratamento, embora os resultados melhorem para pacientes que completaram o tratamento a longo prazo em clínica de recuperação

O acesso a cuidados contínuos e econômicos permite que os pacientes vão além da desintoxicação e eliminação do uso de substâncias para examinar os gatilhos emocionais subjacentes e os hábitos prejudiciais à saúde que contribuem para a recaída. 

Também ajuda a estabelecer novos hábitos de autocuidado que reduzem os momentos de risco e colocam o paciente no controle de seu sucesso.

Oitenta e cinco por cento dos americanos agora têm smartphones, tornando aplicativos e outras tecnologias online prontamente acessíveis para pacientes que precisam de suporte extra. 

Para organizações de reabilitação, considere estes recursos ao desenvolver um aplicativo para ajudar seus pacientes a manter a sobriedade:  

Aparelho discreto

Com a tecnologia, os pacientes podem receber ajuda discretamente em seu telefone ou dispositivo móvel enquanto estão no trabalho, fora com a família ou amigos, ou literalmente em qualquer lugar.

Ofereça ajuda 24 horas por dia, 7 dias por semana. 

Permita que seus pacientes recebam ajuda em momentos de risco, dia ou noite, independentemente da disponibilidade de um patrocinador ou treinador. 

Concentre os pacientes em objetivos. 

Desenvolva seu aplicativo para focar seus pacientes nas metas de tratamento e hábitos tangíveis que ajudarão a fazê-los se sentir melhor. 

Identifique os gatilhos emocionais. 

Devem ser identificados os pensamentos ou sentimentos que dão a seus pacientes o desejo de uma recaída. Avaliar e ter consciência de seu estado emocional é um primeiro passo crucial para mudar seus comportamentos e hábitos. 

Dependendo da sua resposta a perguntas como “Como você está se sentindo?” seu aplicativo pode orientá-los por meio de pensamentos mais positivos e ações sugeridas ou incentivá-los a se conectar com seu treinador ou patrocinador.

Fornece uma sensação de poder sobre o resultado. 

A capacidade de rastrear e visualizar o progresso, bem como focar em mudanças comportamentais menores, uma de cada vez, pode dar aos pacientes a sensação de que eles têm controle sobre sua resposta aos gatilhos.

Monitore biometricamente as respostas ao estresse. 

O estresse é um grande gatilho para a recaída. Muitos adereços, como o Apple Watch ou Fitbit Sense, são capazes de usar monitores de frequência cardíaca para rastrear a resposta do paciente ao estresse. 

Eles não só fornecem uma pontuação de estresse, mas também oferecem sugestões para responder melhor no momento, como meditar. 

Incentive hábitos que promovam resiliência.  

Considere as variáveis ​​que contribuem para o bem-estar emocional geral do paciente, como rastrear e avaliar o sono ou nutrição. 

Esses recursos podem ajudar os pacientes a desenvolver hábitos mais saudáveis ​​que melhoram sua resiliência geral.  

Acesso ao atendimento. 

Os aplicativos podem indicar grupos de apoio próximos ou conectar pacientes diretamente a um profissional ou provedor de saúde licenciado para aconselhamento de telessaúde. 

Outros recursos a serem considerados incluem sessões individuais de telessaúde, grupos de suporte virtual moderados por um terapeuta, tratamento assistido por medicação e muito mais.  

Ofereça educação. 

Os aplicativos podem ser projetados para orientar os pacientes nas 12 etapas da recuperação do vício ou para fornecer informações adicionais sobre os sintomas de abstinência.

Ofereça inspiração. 

Por meio de citações positivas e histórias inspiradoras de remissão, os aplicativos podem ajudar os pacientes a celebrar seus sucessos e reforçar a crença de que podem controlar seu vício. 

Disponibilize avaliações. 

A tecnologia também pode fornecer avaliações, a partir do diário “Como você se sente?” para uma avaliação de saúde mais envolvente para determinar se você está sofrendo de abstinência de benzo ou desenvolvendo uma dependência de álcool ou drogas. 

Talvez o maior benefício do uso da tecnologia seja que ela ajuda a criar um ciclo positivo: verificar os sintomas pode manter o paciente engajado e fornecer um impulso positivo durante a recuperação. 

Na verdade, estudos mostram que o uso de aplicativos e tecnologia no tratamento contínuo de reabilitação melhora os resultados dos pacientes.

A próxima geração de tecnologia para recuperação de vícios

Demonstrou-se que os aplicativos de tecnologia na saúde mental melhoram comportamentos, especialmente quando combinados com aconselhamento e apoio humano. 

Quando planejados e desenvolvidos de forma adequada, os aplicativos e vestíveis podem colocar o poder do autocuidado e da recuperação na palma das mãos dos pacientes e se tornarem componentes cruciais para a recuperação do vício.

Você vai gostar também